Braço de ferro
Braço de Ferro / ilustração

Catálogo

BF32 lebre quatro / Serán ceniza...

BF 23 Papores

María Virginia Jaua

"Outro dado curioso: a palavra "personagem" provém de máscara per sonare; um dispositivo que para além de servir para o desdobramento da "auto-representação" estava concebido para fazer soar, para tornar a voz mais potente e audível. [...] O que hoje conhecemos como imagem, provém de "imago". E as duas palavras não estão unidas apenas na origem. Em Roma o "imago" equivalia à possibilidade de reprodução do rosto dos nobres recém falecidos. Ao morrer, as famílias patrícias possuiam o "direito" à "imagem": apenas eles tinham o privilégio da sua reprodução e exibição pelas ruas da cidade." MVJ

O projecto Serán ceniza…, do qual este livro faz parte, foi apresentado a 10 de Dezembro de 2010, no Navio Vazio (Porto), no âmbito da exposição Navio Vazio (g): Os lábios inclinados para a mão os desenhar – Amizade. Na Solidão partilhada esboçam-se possibilidades de estar com o outro, um projecto de Isabel Carvalho, com as participações de María Virginia Jaua e Tara McDowell.

- - - - -

"Otro dato curioso: la palabra “personaje” proviene de máscara per sonare; es decir se trataba de aquél dispositivo que además de servir al desdoblamiento de la “autorrepresentación” estaba diseñado para hacer sonar, para hacer más potente y audible la voz. [...] Lo que hoy conocemos como imagen, proviene de “imago”. No sólo ambas palabras están unidas en un mismo origen. En Roma el “imago” era una suerte de reproducción del rostro de personas nobles recién fallecidas. Al morir, las familias patricias poseían el “derecho” a la “imagen”: sólo ellos tenían el privilegio de su reproducción y de su exhibición por las calles de la ciudad." MVJ

El proyecto Serán ceniza…, del cual este libro forma parte, fue presentado el 10 de Diciembre de 2010 en el marco de la exposición Navio Vazio (g): Os lábios inclinados para a mão os desenhar – Amizade. Na Solidão partilhada esboçam-se possibilidades de estar com o outro, un proyecto de Isabel Carvalho con la participación de María Virginia Jaua y Tara McDowell.

2011 / 12 x 17 cm / 40 p. / p/b / Esp

 

voltar ao menu

BF31 lebre três / Householders

BF 23 Papores

Tara McDowell

"O pintor R.B. Kitaj escreveu em tempos acerca do "lar-aconchego" que Jess, um artista, partilhou durante muitos anos em S. Francisco com Robert Duncan, um poeta – duas figuras de culto nos circuitos de arte e poesia norte-americana. O curioso neologismo de Kitaj é evocativo e presta-se a que sobre ele nos detenhamos um pouco, pois é simultaneamente verdadeiro e falso, embora não pelas razões que se possam esperar. O lar de Duncan e Jess era um espaço construído, conscientemente imaginado e habitado, segundo as necessidades de vida de cada um." TMcD

O projecto Householders, do qual este livro faz parte, foi apresentado a 10 de Dezembro de 2010, no Navio Vazio (Porto), no âmbito da exposição Navio Vazio (g): Os lábios inclinados para a mão os desenhar – Amizade. Na Solidão partilhada esboçam-se possibilidades de estar com o outro, um projecto de Isabel Carvalho, com as participações de María Virginia Jaua e Tara McDowell.

2011 / 12 x 17 cm / 40 p. / p/b / Eng

 

voltar ao menu

BF30 Cartazes Navio Vazio

BF 23 Papores

Edição de 10 exemplares da colecção de cartazes do primeiro ano de programação do espaço Navio Vazio, concebidos por Isabel Carvalho e Pedro Nora. A esta edição foi acrescentada uma selecção de cartazes do catálogo da editora.

2011 / 29,7 x 42 cm / cartazes / cor e p/b / Pt

 

voltar ao menu

BF29 Latidos

BF 23 Papores

Irmãs Brontë

Latidos reúne um conjunto de estórias que têm em comum um olhar enviesado sobre o conhecimento. Usando por vezes um tom realista, por outras fazendo uso de uma voz delirante e poética, as autoras percorrem em fugazes efabulações os espaços que se escondem entre a ciência, a religião, o paganismo, a natureza, a história, a mitologia e a estética com uma curiosidade voraz e um olhar inocentemente disponível. Ao transpor fronteiras de um modo tão descarado, vão desenhando percursos que equivalem a tentativas de compreender o mundo.

2011 / 10.5 x 18 cm / 116 pp. / p/b / Pt

 

voltar ao menu

BF28 Latidos

BF 23 Papores

Irmãs Brontë

A presente edição de Latidos compila vinte pequenas histórias, escritas pelas irmãs Brontë. A sua versão integral pode ser encontrada em BF 29 Latidos.

2010 / 10.5 x 18 cm / 24 pp. / p/b / Pt

 

voltar ao menu

IC02 Cuaderno de apuntes sobre la emancipación 1 Encantadoras de Serpientes

BF 23 Papores

Conceito da publicação de Isabel Carvalho

Com colaborações de Julieta Aranda, Rosa Barba, Carolina Caycedo
& Chaveli Sifre Vulcánica, Andrea Echeverri & Milagros Jaramillo, Carla Fernandez, María Virginia Jaua, Adriana Lara, Judi Werthein
e Carla Zaccagnini.

Encantadoras de Serpientes é um caderno de apontamentos sobre emancipação, realizado no âmbito da exposição CGEM, comissariada por María Inés Rodríguez para o MUSAC (Léon, Espanha).

Encantadoras / de Serpentes / apresentam nesta publicação / depoimentos pessoais / sobre emancipação, / para serem lidos /
como cânticos / de encanto.
Que pelo canto / interiorizado / pelo corpo, / o canto do cântico /
seja / reflexão, rejeição, / convulsão e acção, / realizando /
o pessoal / no social / – IC

2010 / 24 x 31.5 cm / 108 p. / p/b e cor / Es

 

voltar ao menu

IC01 Girls are dreaming about enormous machines

BF 23 Papores

Isabel Carvalho

Existem muitas razões para desenvolvermos como actividade uma tarefa aparentemente inútil. Actividade, no sentido em que uma tarefa é sistematicamente repetida com a seriedade de um compromisso com o próprio ou com a sociedade. [...]
No passado – talvez pressionada pelo lado mais concreto das coisas, talvez iludida por outras solicitações mais sérias – eu disse que esta actividade não me interessava, mal me satisfazia. Aconteceu que, a dada altura, encontrei-me com muita vontade de retomar experiências inconclusivas. Dei-me conta que é das poucas actividades que me entretêm e iludem. E a ilusão é boa. – IC

2008 / 21 x 21 cm / 40 p. / p/b e cor / Pt

 

voltar ao menu

BF27 Impossuível

BF 23 Papores

Com colaborações de Isabel Carvalho, Isabel Duarte (Voca), José Bártolo, Marco Balesteros, Maria João Macedo (Voca), Paul Buck, Pedro Nora, Ricardo Nicolau, Sofia Gonçalves

O ciclo “Impossuível”* realizou-se no Navio Vazio, no Porto, entre os dias 29 de Abril e 8 de Maio de 2010. Um conjunto de artistas, designers, curadores, críticos de arte e de design foram convidados a partilhar com a audiência uma selecção de livros das suas bibliotecas privadas. Os textos aqui reunidos recolhem as reflexões surgidas desses encontros.

* Expressão cunhada por Natália Correia para descrever a poetisa Florbela Espanca.

2010 / 12 x 16.5 cm / 140 p. / p/b / Pt / Eng

 

voltar ao menu

BF26 lebre dois / Aby Warburg, 1866–1929 Projecto de uma cartografia da história, da arte e da cultura

BF 23 Papores

Vítor Silva Cravo

Para o historiador, o território e a geografia são domínios subjectivos do tempo e da memória, que tudo se encarregam de transformar. Traçar o mapa destas transformações permite descrever a “vida póstuma”das formas da cultura e das manifestações artísticas, ao mesmo tempo que permite observar uma cartografia subjectiva e pessoal do pensamento. O historiador é aquele que persegue os fluxos, a morfologia e as “ondas mnésicas” do tempo para descrever e montar, segundo uma “lei de boa vizinhança”, a hipótese de uma “iconologia de intervalos” mais completa, capaz de iluminar a condição e a existência do “destino da cultura humana”. VSC

2010 / 12 x 17 cm / 40 p. / p/b e cor / Pt

 

voltar ao menu

BF25 Manter as aparências

BF 23 Papores

Cartaz criado por IC e BF para uma publicação de homenagem
à Nova Emoção.

2010 / 29.7 x 43.2 cm / cartaz / cor / Pt

 

voltar ao menu

BF24 lebre um / O feio como reinvenção

BF 23 Papores

Pedro Nora

O “feio” descrito por Heller há 17 anos tornou-se belo, institucionali-zado e apetecível em pouco tempo. O que é actualmente o novo “feio”? Ou, colocando a questão de outra forma, de que modo a disciplina se pode reinventar?

2010 / 12 x 17 cm / 16 p. / p/b / Pt

 

voltar ao menu

BF23 Papores

BF 23 Papores

Ana Carvalho e BF

A Papores é um exemplar botânico com características únicas, e de classificação complexa. Descoberta no início do século XVII é, desde então, considerada o maior enigma da Botânica. O primeiro obstáculo ao seu estudo resulta da impossibilidade de lhe serem aplicadas metodologias e sistemas de catalogação rigorosos e científicos. Isto porque a Papores é uma planta que não apresenta características morfológicas fixas, que a tornem passível de ser submetida à classificação por espécie. Ana Carvalho

2010 / 43,2 x 29,7 cm / cartaz / azul / Pt

 

voltar ao menu

BF22 Navio Vazio (a)

BF 22 Navio Vazio (a)

Textos de IC e Ricardo Nicolau

O sítio reservado para existências tão pesadas quanto os livros são as bibliotecas públicas – sem cartão de utilizador, nem cartas que justifiquem a visita; e não devem existir mais livros a circular que bibliotecas públicas para os guardar. A biblioteca privada só é justificável quando congrega os livros abertos – ainda por ler – e os livros cintilantes – os que sobrevivem a todas as leituras. A biblioteca exemplar é uma biblioteca oral, na qual os livros são lidos, mastigados e engolidos, usados e integrados, onde as pessoas são os livros e os livros sem pessoas que os leiam são inúteis. IC

2010 / 21 x 29,7 cm / 4 p. / p/b / Pt

 

voltar ao menu

BF21 Visita guiada à carcaça de uma baleia de nove hectares disposta nas margens do rio Ave

BF 21 Visita guiada à carcaça de uma baleia de nove hectares disposta nas margens do rio Ave

O coração já não funcionava. Acabou por não ser visto por ninguém e comentava‑se que talvez estivesse guardado numa cave ou escondido entre a cabeça e os pulmões. O guia parecia querer guardar só para si esse tesouro. IC

2009 / 50 x 70 cm / cartaz / p/b / Pt

 

voltar ao menu

BF20 Ámanhã 1909–2009

BBF 20 Ámanhã 1909–200

Com colaborações de ATLAS projectos, Dayana Lucas, Isabel Carvalho, João Alves Marrucho e Pedro Nora

Entre 1 de Junho e 15 de Agosto de 1909 foram publicados em Portugal, pela mão de Grácio Ramos e Pinto Quartim, 6 números do periódico anarquista Ámanhã.
Na apresentação do número inaugural, os seus autores definiam a publicação como uma “revista popular de orientação racional, rompendo com todo o passado, sem respeitar nem ídolos, nem deuses, nem dogmas, nem preocupações.” Ao longo da curta existência do periódico foram debatidos nas suas páginas temas como a educação, o amor livre, o trabalho, a pedagogia libertária, o ateísmo e a propriedade.

2009 / 23 x 29.7 cm / 80 p. / p/b / Pt

 

voltar ao menu

BF19 Um livro é uma forma de acção possível

BF19 frente - Um livro é uma forma de acção possível BF19 verso - Um livro é uma forma de acção possível

Cartaz criado pela BF a partir de “Ne coupez pas nº 4” de Jean Claude Moineau (c.1966), para a exposição "O que é urgente mostrar" comissariada por José Manuel Bártolo em colaboração com o Centro de Estudos Multidisciplinares Ernesto de Sousa.

[...] O Que é Urgente Mostrar é uma exposição de cartazes que envolve nove designers portugueses a quem foi lançado o desafio de expressarem a sua mensagem urgente através da escolha de um cartaz do Espólio Ernesto de Sousa ao qual deverão associar um cartaz de sua autoria. Através de um processo de diálogo, identificação ou confronto entre duas contemporaneidades é o próprio estatuto do cartaz, a sua função e lugar na actualidade, que é questionado, mediante a reflexão sobre as grafias e as mensagens, continuidades e rupturas, promovidas por designers de diferentes gerações.[...]
José Manuel Bártolo.

2009 / 48 x 68 cm / cartaz / cor / Pt

 

voltar ao menu

BF18 Biografia de uma praticante invisível. Uma Tocha Acesa

BF 18 Biografia de uma praticante invisível. Uma Tocha Acesa

Isabel Carvalho

[...] Um dia, depois de ter estado em casa de uns vizinhos e ter participado num jogo espírita, começou a escrever quatro livros em simultâneo sobre indicação do espírito de outra mulher, numa língua antiquada mas com sinais de modernidade, em desuso há mais de duzentos anos. Quando o caso se tornou conhecido incomodaram‑lhe os longos interrogatórios dos curiosos — espiritualistas e cépticos —, que lhe perguntaram como fazia para escrever e como se realizava a comunicação entre as duas. Explicou que quem os recitava era uma promissora escritora que tinha falecido prematuramente no século XVII, vítima de um ataque perpetrado por uma tribo de índios, não tendo tido oportunidade de escrever ela própria os seus livros.
A sua vontade era dar lugar à verdadeira escritora e afastar de si mesma toda a atenção, porque afinal considerava‑se apenas uma escriba. De tal forma se apagou que nenhum livro foi assinado por si, recaindo sobre a sua companheira o mérito de ter escrito alguns clássicos da literatura. Os muitos livros que escreveram em conjunto, num curioso pacto de felicidade, eram singulares.[...] IC

2009 / 16 x 10.5 cm / 68 p. / p/b / Pt

 

voltar ao menu

BF17 Bar introspectivo ocupado
(cultura em potência)

BF17 Bar introspectivo

Isabel Carvalho

2009 / 14,8 x 21 cm / 16 p. / p/b / Pt / indisponível

 

voltar ao menu

BF16 Mostruário de horas tecidas
em ambientes pesados resultando
em diferentes padrões estéticos

BF16 Mostruário de horas tecidas

Isabel Carvalho

2009 / 13 x 18 cm / 32 p. / p/b / Pt

 

voltar ao menu

BF15 Relógio Capital

BF15 Relógio Capital

Isabel Carvalho

O tempo que “foi”, em parte, tinha sido o tempo-formiga, que foi dividido em milhares e milhares de partes. E sobre esse nada feito.
O que eu queria era um tempo pleno, e foi então que eu me comprometi com esse tempo que me traria certamente novidades – prazer e conhecimento.
Os medidores de tempo sonoros foram os primeiros a que eu renunciei. Lamento ainda hoje o som de sirenes e campainhas das fábricas, igrejas, escolas, prisões, hospitais, com uivos horríveis. Não desculpo que me lembrem do tempo que outros optaram.

2009 / 10,5 x 16 cm / 64 p. / p/b / Pt

 

voltar ao menu

BF14 The Airotiv Papers

BF14 The Airotiv Papers

André Guedes

“Estamos de visita a Airotiv. No entanto, Airotiv é um nome inventado para um lugar que existe na Nova Zelândia nos antípodas de Vitoria no Pais Basco em Espanha. O antípoda exacto encontra-se na realidade localizado no Sul do Oceano Pacífico, a cerca de 500 km da costa de Canterbury. Escolhemos a cidade de Christchurch, na costa de Canterbury, pois é geograficamente a cidade mais próxima nessa relação antípodal com Vitoria. As coisas de Airotiv, que podemos agora observar, não exprimem necessariamente a diferença desse lugar; pelo contrário, representam uma série de coincidências, repetições, eventos que reconhecemos. Estes elementos são documentos de coisas que aconteceram no início dos anos 1930, e que de novo acontecem, agora. De facto, Airotiv é onde nos encontramos nós neste preciso momento, em Vitoria.” André Guedes

The Airotiv Papers foi editada no âmbito de Airotiv, uma exposição individual de André Guedes no Centro Cultural Montehermoso em Vitoria, Espanha em 2009.
É constituída por um apêndice de imagens de arquivo e pela reedição de quatro textos publicados na Nova Zelândia: ‘The Sugarbag Years’ (1974) de Tony Simpson, ‘The Heyday of the One-Act Play 1930-1945’ (1984) de John Thomson, ‘Rabbits’ (1932) de Violet Targuse e ‘Port Supermarket Checks Out’ (2008) de Ian Steward.
Esta edição foi publicada em associação com The Physics Room (Christchurch, Nova Zelândia).

2009 / 18.5 x 28.5 cm / 96 p. / p/b / Eng / Esp / indisponível

 

voltar ao menu

BF13 A Economia do Artista

BF13 frente - A Economia do artista

Editado por: Isabel Carvalho, Lígia Paz, Pedro Nora

Com contribuições de: Brendan Byrne, Clare Thornton, David Riff, Debra Savage, Dmitri Vilensky, Esther Leslie, Frederikke Hansen, Isabel Carvalho, João Alves Marrucho, João Sousa Cardoso, João Teixeira Lopes, Jorge Louraço, Katharina Schlieben, Kirsten Forkert, Lígia Paz, Marina Vishmidt, Mário Moura, Mark Hutchinson, Marta Bernardes, Paul Buck, Sønke Gau, Vitor Silva, W.A.G.E.

“Para a consciência moderna, o artista (substituindo o santo) é o sofredor exemplar. E entre os artistas, o escritor, o homem da palavra, é a pessoa a quem olhamos como sendo o que melhor é capaz de expressar o seu sofrimento. [...] Como homem, ele sofre; como escritor transforma o seu sofrimento em arte. O escritor é o homem que descobre o uso do sofrimento na economia da arte – como os santos descobriram a utilidade e necessidade do sofrimento na economia da salvação.”
Susan Sontag – “The artist as an exemplary sufferer”, Against Interpretation (Londres: Vintage, 1994 [ed. original, Nova Iorque: Farrar Straus & Giroux, 1966]).

Os textos reunidos em A “Economia do Artista” propõem análises críticas às políticas culturais, às instituições e à própria estrutura de pensamento dos intervenientes culturais em cujo centro se encontra o artista. A forma de questionar a precariedade que subsiste no meio artístico é aqui apresentada por vezes como uma acção individual, por outras como o resultado de uma consciencialização colectiva de carácter associativo. As vinte contribuições apresentadas tomaram a forma de ensaio, de entrevista, de reflexão, de episódio biográfico – sem qualquer tipo de hierarquização entre os diferentes formatos por parte dos editores – são propostas de reflexão que procuram contribuir para o debate público. Têm a vantagem de permitir uma análise diversificada e heterogénea da complexidade das relações entre arte e economia, que podemos constatar serem comuns a Portugal, EUA, Rússia, Reino Unido, Suíça, Dinamarca, etc., espelhando, somos levados a crer, uma realidade global.

2010 / 16 x 22.5 cm / 408 p. / p/b / Pt / Eng

 

voltar ao menu

BF12

BF12

[...] chegámos à praia cedo e quando marcaram as 14h, num relógio de Sol improvisado com um galho espetado na areia, a reflectir numa lata de conserva que alguém tinha no bolso do sobretudo, de óculos de Sol postos, virados de barriga para cima, estavam dezenas, já quase chegávamos a uma centena naquela praia. Algumas cabeças estavam pousadas nas costas, nos ombros, nos braços, nas barrigas, nas pernas dos outros. Alguns davam as mãos. A massa escura preta que formávamos era semelhante a piche colocado nas estradas.

2009 / 14 x 20 cm / 36 p. / cor / Pt / Eng

 

voltar ao menu

BF11 Jotta Dossier

BF08 s/he is her/e / capa

Ricardo Nicolau

A possíveis leitores:

Jotta Dossier é um livro exercício de ventriloquismo: duas pessoas com aspas, Ana Jotta (artista) e Ricardo Nicolau (curador), falam alternadamente pela boca um do outro; é igualmente o ponto final de uma exposição, e uma cópia manca do Duchamp Dossier de Joseph Cornell. O livro apresenta imagens recolhidas por Ricardo Nicolau quando preparava s/he is her/e — a última exposição individual de Ana Jotta —, textos dos mesmos autores, cemitérios de nomes, listas de títulos, citações de escritos alheios, anagramas e palavras simétricas.

2009 / 22 x 30 cm / 192 p. / p/b / Pt / Eng / indisponível

 

voltar ao menu

BF10 Wanda II

BF08 s/he is her/e / capa

Projecto de Isabel Carvalho

Segundo volume de compilação de crónicas eróticas femininas escritas por autoras anónimas.

"[...] Isto recorda a tradição do trabalho "feito à parte", sobre anonimato ou recorrendo a um pseudónimo, a que muitos escritores recorreram para poder financiar a sua "voz" pessoal. Esse trabalho marginal tem para mim um valor próprio. Fico satisfeita se por acaso contribuo para a publicação desse resíduo cultural." IC

2009 / 10 x 12 cm / 32 p. / p/b / Pt

 

voltar ao menu

BF09 Design em tempos de crise

BF08 s/he is her/e / capa

Mário Moura

[...] a hipótese que suporta os textos aqui reunidos é que o design, sem se dar conta, serve a ideologia neo‑liberal. Isto pode parecer uma acusação contraditória, até injusta, porque nunca tantos designers se preocuparam tanto com política como nos últimos tempos. Nunca houve tantos projectos que se propusessem resolver, através do design, os problemas sociais e humanitários do mundo – ao ponto de haver quem pergunte (com muito pouca ironia) se os designers não alinharão, naturalmente, à esquerda. No entanto, de boas intenções está o inferno cheio, e é precisamente quando o design quer ser mais activamente político que acaba por servir mais eficazmente a agenda neo-liberal. [...]

Embora a grande maioria tenha sido escrita no começo de 2008, os textos presentes nesta antologia foram publicados desde 2004 no blogue The Ressabiator (ressabiator.wordpress.com). Correspondem a uma selecção de entre os textos dedicados a temas políticos relacionados com design, mas também com cultura e financiamentos públicos.

2008 / 12 x 16.5 cm / 96 p. / p/b / Pt / indisponível

 

voltar ao menu

BF08 s/he is her/e

BF08 s/he is her/e / capa

"s/he is her/e" é um ensaio visual que acompanha a exposição homónima da artista Ana Jotta.

2008 / 22 x 30 cm / 20 p. / cor / Pt / indisponível

 

voltar ao menu

BF07 our day will come

BF07 / our day will come / capa

Entrevista conduzida pelos editores da BF a Paul O’Neill e Mick Wilson.

Após um breve e frutuoso encontro com Paul O’Neill, em Bristol, os editores da BF decidiram lançar-lhe algumas questões em torno do tema das comunidades artísticas, objecto de estudo que tem explorado nas diferentes actividades que desenvolve. O diálogo, que foi mantido por email, estendeu-se a Mike Wilson que deu um contributo significativo à discussão. O ensaio visual que complementa o texto foi composto pelos editores.

2008 / 13.5 x 21 cm / 24p. / p/b / Pt / Eng / indisponível

 

voltar ao menu

BF06 Looking at the Sun

BF06 / Looking at the Sun / capa

Nim-Jo Chung em colaboração com BF

"Neste vídeo, a figura, eu próprio, encontra-se sozinha. Não há ninguém para filmar, por isso coloco a câmara no chão, apontando-a na direcção do sol e afasto-me dela até que eu ou ela esteja fora de vista. Quando se dá o loop, como com todos os loops, é uma repetição, mas curiosamente é também como se a figura tivesse atravessado todo o planeta para aparecer novamente por detrás da câmara e repetisse, infinitamente, a mesma viagem. Não há qualquer tipo de encerramento narrativo. Há apenas uma aceleração mínima da fita, um pouco cómica mas, para mim, criando um cenário “infernal” do eterno retorno." Nim-Jo Chung

2008 / 30 x 42 cm / cartaz / cor / Pt / Eng / indisponível

 

voltar ao menu

BF05 River Avon

BF05 / River Avon / capa

Participantes da exposição “A River Ain’t Too Much To Love”. Poemas de Ana Manso, André Romão, António Bolota, Gonçalo Sena, Isabel Ribeiro, Pedro Barateiro, Pedro Neves Marques e Renato Ferrão.

Esta publicação toma como ponto de partida a exposição “A River Ain’t Too Much To Love” – parte integrante da exposição “part-ilha”, Spike Island, Bristol, Reino Unido. Os editores convidaram os artistas participantes a escrever um poema sobre o rio de Bristol, o Avon. Mais do que um mero registo da exposição, River Avon é em si mesmo um potenciador de novas criações, através de um processo criativo pouco habitual para a maioria destes artistas.

2008 / 60 x 42 cm / cartaz / cor / Pt / Eng / indisponível

 

voltar ao menu

BF04 Minor Breast

BF04 / Minor Breast / capa

Isabel Carvalho e Clare Thornton (ed.)
Vários autores

Minor Breast resultou da colaboração entre as artistas Isabel Carvalho e Clare Thornton. O projecto desenvolveu-se a partir de um interesse comum por comunidades, produção colectiva e por um desejo em chegar ao fundo das questões. A publicação reúne um conjunto de reflexões e conselhos adquiridos pelas participantes através de experiência própria ou de outrem, que as ajudaram a lidar com as relações difíceis entre vida/amor/trabalho. Composto através de uma rede internacional de amigas, família e contactos, Minor Breast centra-se em assimetrias, relações humanas, partilha de intimidade e feminismo, procurando estabelecer uma plataforma criativa e poética.

2008 / 11.5 x 16.5 cm / 48 p. / p/b / Pt / Eng / indisponível

 

voltar ao menu

BF03 Uma Obra sem Qualidades

BF03 / Uma Obra sem Qualidades / capa

António de Sousa
Textos de João Paulo Sousa

"A aceleração crescente que caracteriza a nossa época contribui de igual modo para que se desvalorize a reflexão, entendida como um processo que precisa de tempo e, por isso, tende a ser substituído pela publicidade ou por esse verdadeiro ethos da contemporaneidade que é a divulgação. As obras são meramente divulgadas ou publicitadas, no interior de um vasto magma em que tudo se assemelha e uniformiza, onde quase nada tem direito a uma efectiva recepção crítica, capaz de questionar os seus processos constitutivos e de, expondo sentidos possíveis, interpelar efectivamente um potencial receptor. Com cada vez menos tempo para dedicar a cada objecto (tempo inútil, sem espessura, sem capacidade para resistir na memória), a nossa época assiste a uma sucessão permanente de novidades, cada uma apagando a anterior, como se apenas aquilo a que insistimos em chamar presente tivesse uma efectiva condição ontológica. Não admira, portanto, que haja evidentes sinais de cansaço e de saturação no que, obedecendo à lógica catalogadora da modernidade, poderíamos designar como o mundo da arte." João Paulo Sousa

2008 / 13 x 17.5 cm / 24p. / p/b e cor / Pt / Eng / indisponível

 

voltar ao menu

BF02 A casa é sincera

BF02 / A Casa é sincera / capa

Projecto de Isabel Carvalho
Textos de Calhau, Isabel Carvalho, Mário Moura, Lígia Paz e Luis Eustáquio

“Pela minha experiência em espaços geridos por artistas – como membro fundador, como artista convidada, como parasitária de espaços cuja gestão é temporária ou ainda como público – considero que estes funcionam como “castelos”: transposições físicas, concretas e reais de ambições de quem os conquista e os toma como seus. No momento em que o espaço é encontrado e aquando da sua ocupação e funcionamento, corporaliza-se nele um sonho, uma vontade de mudança (consciente ou não) do contexto em que se insere. Com o passar do tempo, e por consequência das sucessivas mudanças ocorridas dentro e fora do grupo ou indivíduo dinamizador, o castelo naturalmente transfigura-se inaugurando-se um outro momento. Em todo o processo a melhor parte é acreditar o suficiente para se erigir um castelo, a pior é esquecer que um dia essa vontade existiu.” Isabel Carvalho

2008 / 14 x 10,5 cm / 80 p. / p/b / Pt / Eng / indisponível

 

voltar ao menu

BF01 Wanda

BF01 / Wanda / capa

Projecto de Isabel Carvalho
Textos introdutorios de Ana Butshke, Lígia Paz e Wanda

Colecção de crónicas eróticas femininas escritas por autoras anónimas. “As fantasias (no formato que se desejar) permitem que a procura da sexualidade de cada um – as suas nuances, os seus limites, a exploração dos seus segredos e desejos mais ocultos – seja uma experiência em si bastante satisfatória de autoconhecimento e de crescimento individual. Isto porque, antes de sermos dois (3, 4, 5...), somos um!” Wanda

2007 / 15 x 20 cm / 72 p. / p/b / Pt / indisponível

 

voltar ao menu